A maga das plantas medicinais

A maga das plantas medicinais


Há 20 anos ela vê diminuir o sofrimento de pacientes com a dose correta de cannabis medicinal.

 

Por Renata Lopes, de Denver

Erika Weich, 47, é uma das personalidades da indústria canábica no Colorado, conhecida por difundir informação e por ter acumulado grande quantidade de informação na terapêutica com cannabis em mais de 20 anos como cuidadora de saúde. Acupunturista e herbalista, ela também dá aula de cannabis para diferentes comorbidades e administra um grupo de pesquisadores sobre as aplicações medicinais da cannabis. Nascida em New Jersey e vivendo no Colorado desde os 17, Erika e seu marido fundaram em 2018 a Conscious Medz, empresa de tinturas de cannabis, que segundo ela, é a forma farmacêutica que melhor permite se encontrar a dose correta para pacientes que não são familiarizados com a planta.

RL - Desde quando você trabalha com cannabis?

Erika - Trabalho com Cannabis há 20 anos, desde que comecei a estudar Medicina Chinesa, que venho praticando há 17 anos como herbalista. Me interessei por Cannabis como remédio quando um amigo que cultiva cannabis me contou que deu uma jarra de óleo de cannabis para uma mulher que tinha 23 tumores nos pulmões, ela bebeu todo o óleo (um monte de óleo, suficiente para deixar bem louco!) e voltou com três tumores nos pulmões pedindo mais. Não sei dizer o que aconteceu com esta mulher, mas isso realmente abriu meus olhos para o poder medicinal da cannabis e foi aí que eu passei a estudar a planta com mais afinco, há 8 anos. Naquela época eu estava tratando uma mulher com câncer com origem nos seios em estágio 4. Ela experimentou o óleo e só podia consumir em pequena quantidade, então eu fiz suco das folhas para ela. Ela estava em quimioterapia na época e os números de marcadores tumorais não foram alterados. Quando entramos com o suco de folhas, começamos a ver cair o número de marcadores tumorais em seu sangue. Infelizmente, o câncer acabou tomando conta e ela faleceu há 2 anos. Sou muito cautelosa em dar às pessoas falsas esperanças com cannabis e câncer, mas vejo que pode ser útil especialmente para reduzir o sofrimento. Desde então venho tratando pessoas com Crohn, Alzheimer e Parkinson.

RL - Como começou a Conscious Medz e por que tinturas?

Erika - Iniciamos a empresa (eu e meu marido) em 2018 e escolhemos tinturas porque eu percebi durante estes anos que elas são a melhor maneira de administrar lentamente THC para pessoas que não têm experiência com a planta, mas querem encontrar alívio para seus problemas de saúde e não necessariamente querem ter efeitos intoxicantes. Sinto que as tinturas são muito boas para encontrar, pouco a pouco, sua janela terapêutica, a dose em que a maconha pode ser eficaz e não assustadora. A parte difícil é que todo mundo é diferente e precisa de uma dose diferente. Algumas pessoas precisam de muito, outras precisam de muito pouco e a única maneira de saber é tomando.

 RL - Como profissional de saúde, como você vê a cannabis atuando beneficamente em diferentes doenças? Os benefícios parecem estar mais relacionados a um grupo específico de canabinóides ou a resposta individual às variedades é que conta mais? 

Erika - Nestes anos atuando como profissional de saúde, observei semelhanças no tratamento de certas doenças, mas não há regras. Todo ser humano é diferente, não importa a doença, e reage de maneira diferente a cada variedade de cannabis. A melhor maneira de dosar maconha é devagar e por tentativa e erro. É por isso que fabricamos tinturas de variedades específicas de Cannabis, porque quero que o cliente saiba o máximo que puder sobre o medicamento que está tomando. Existem cerca de 500 compostos na planta que variam em diferentes cultivares, métodos de cultivo e métodos de extração. Se você tiver testes que forneçam os importantes canabinóides e terpenos, eles podem orientá-lo a entender o que funciona melhor para você. Uso as informações que aprendi sobre canabinóides e terpenos para orientar minhas escolhas e observo a resposta do paciente para ajustá-las. Ao mesmo tempo em que sou praticante da Medicina Tradicional Chinesa, também estou sempre observando mudanças na dieta e no estilo de vida das pessoas. E estes podem ser os fatores mais poderosos!

 RL - Qual sua recomendação para aqueles que têm interesse em experimentar cannabis para uma melhor qualidade de vida e alívio de sintomas, mas não estão familiarizadas com os efeitos psicoativos? 

Erika - Eu esperaria algum alívio com o cânhamo (hemp), mas não muito. É importante saber que a maconha funciona melhor como extrato vegetal da planta inteira e o THC pode ser muito importante. O cânhamo (plantas de cannabis que contém menos de 0,3% de THC) pode ajudar com ansiedade, às vezes convulsões e dores artríticas, mas tem eficácia clínica limitada. Quando não obtenho resultados com o cânhamo, uso strains que podem não ser psicoativas, mas contêm mais THC. Descobri com a maioria dos meus pacientes que, quando usam THC, eles obtêm melhores resultados com uma quantidade menor, mas não precisa ser psicoativo. É tudo sobre a dose.

RL - Já aconteceu do paciente estar com medo de tentar cannabis, mas depois de experimentar ficou confortável com os efeitos do THC e até gostou da experiência?

Erika - Isso acontece frequentemente. Muitas pessoas com dor crônica gostariam de usar somente o CBD de cânhamo e, para a maioria das pessoas, isso não funciona. Tenho visto o uso do CBD mais como um anti-inflamatório e o THC mais como um analgésico. Procuro iniciar as pessoas em um regime não-psicoativo - se elas não respondem, uso doses baixas de strains com mais THC. É engraçado, muitas pessoas que dizem não gostar de psicoatividade, acabam gostando em pequenas doses. Vou usar uma variedade indica 1:1 (CBD:THC) para dormir e combater a dor à noite. Quando as pessoas começam a dormir, muitos dos outros problemas que elas tinham desaparecem. Os clientes geralmente associam a cannabis ao hábito de fumar, e fumando é muito difícil controlar a dose, além de ter ação curta. Ao consumir cannabis na forma de tintura, é possível controlar a dose muito melhor e mover-se lentamente até a janela terapêutica, para que o paciente não exceda a dose, tenha ansiedade e se sinta desconfortável. Normalmente, inicio clientes que não têm experiência com cannabis com uma gota de uma tintura 1:1 CBD:THC que é menor que 0,2 mg de THC. Isso será subterapêutico para a maioria dos testes mas serve para ver se eles são super sensíveis ao THC, o que acontece com cerca de 2% da população. Depois, vai aumentando aos poucos toda noite até se obter o efeito desejado. Pacientes que tomam uma dose muito alta geralmente nunca tentam novamente, por isso é crucial ir devagar.

O site da empresa de tinturas de Erika é https://consciousmedz.com/.